Dívidas Póstumas

Dívidas Póstumas

Muitas vezes me perguntam se eu posso dar orientação sobre a vingança espiritual. Vou dar um exemplo. Você briga com uma pessoa na terra, não faz as pazes e um deles vai para óbito. O que ocorre com aquele que foi lesado e não teve tempo de se ajustar, cobrando do morto?

GS – É o seguinte. Você briga com fulano. Ele devia para você pouca coisa financeiramente. Para você essa pouca coisa era muito, para ele quase nada. Um dia você soube da notícia que o fulano morreu e você fica muito zangado.

-Ô Zé, você morreu sem me pagar e agora fiquei com uma despesa enorme! O que pensa que vai ser? Vou cobrar de seus familiares, entendeu? Não adianta ficar aí no céu porque sou certeiro. Prejudicarei toda a sua família.

Lá em cima o desencarnado devedor, “ouve” o desabafo. Ele sente as vibrações que o descompensam. Resolve emitir um pensamento, respondendo:

—Não me encha o saco. Agora eu estou aqui no meu canto, desencarnado e não tenho como lhe pagar. Não prejudique a minha família senão eu torturarei você pelo resto da sua vida.

Bem. Está aí um diálogo entre um vivo e um desencarnado.

Agora a resposta para você, aprendiz da espiritualidade. Não estou escrevendo para nenhum membro de religiões e sim, para aqueles que desejam aprender um pouco desta experiência espiritual e sentir os acontecimentos que vibram nesta situação descrita.

O desencarnado fica até livre de pensar que não haverá mais cobranças financeiras. Ele quer estar em paz na outra dimensão desejando esquecer tudo o que viveu na terra. Ele quer paz e ter a sua família em contato com ele, via vibrações espirituais. No entanto, ele não terá paz enquanto não resolver situações como estas.

A família do morto fisicamente, começa a receber cobranças na terra. Chegam contas, comunicação verbal e até macumba feita para desestruturar a família. Eles acabam ficando chateados com o membro familiar desencarnado porque foi “ele” o culpado de fazer dívidas e não as pagar. Sobrou para eles resolverem estes impasses. Ficam tão atolados de cobranças que inconscientemente acabam se revoltando com o desencarnado.

Por todas estas vibrações raivosas o desencarnado acaba sentindo o disparate de vibrações negativas de seus próprios familiares, incomodando o seu aprendizado, evolução astral. Até que ele, não tendo paz, resolve dar um jeitinho de ajudar quem ele devia financeiramente harmonizando a vida de quem aqui ficou. Ele não ficara bem no espaço que hoje ocupa no astral até resolver suas pendências. Quando tudo for resolvido sanadas as dívidas, aí sim, ele tomará conta de si, sua família sossegará e cada um cuidará de sua existência da melhor forma que encontrar.

A vingança entre um e outro são feitos vibracionalmente porém as consequências são sofridas. Aquele que esteve fazendo cobranças (vivo) para a família não caminhará a contento. Isto é, não sentirá paz após as vibrações do desencarnado tê-lo “pago” recompensando-o com aberturas de negócios. O morto que embarcou para outra dimensão passará também maus bocados espiritualmente, pois, as barreiras do “mal” que deixou na família do “vivo” não receberá evolução até que seja perdoado. Cada um vibrará em seu próprio SER, na voltagem do seu aprendizado onde quer que estejam. Por isso as graças oferecidas em orações ajudam muito tanto o desencarnado como os vivos. É isso.

Por hoje é só.

Até breve.

One comment

  1. Avatar
    Carmelita Moretzsohn de Carvalho

    A gratidão ajuda a libertar um pouco a gente .
    A humildade teria feito aqueles dois espírito o devedor e quem não recebeu entender a situação.
    Não existiria o porquê se vingar de quem lhe deve se houvesse compreensão.
    Acho que tudo é uma questão de falta de amor fraterno.
    A dívida não era da família e sim de quem a contraiu . Que valor vai ter agora ?
    Com Carinho
    Milly

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.